Quais os danos ambientais causados pelo cigarro?

      No plantio e cultivo do tabaco são empregados fertilizantes químicos, agrotóxicos e desbrotantes em grandes quantidades para esterilizar o solo e exterminar as pragas. Os resíduos destes produtos permanecem nas folhas do tabaco e são encontradas no produto final, causando também malefícios aos fumantes e não fumantes expostos à fumaça.

      No processo de produção do cigarro a lenha é usada na secagem da folha, queimando-se muitas arvores, na proporção de uma árvore, de tamanho médio, para cada 300 cigarros produzidos. Além do processo de secagem, existe também o uso de arvores para a fabricação do papel utilizado para envolver o tabaco. No ano em que foram produzidos 157,9 bilhões de cigarros no Brasil foram queimadas 526 milhões de árvores, prejudicando a flora e a fauna da mata virgem. Podemos citar ainda, o fato de que aproximadamente 25% dos incêndios em todo o mundo são causados por pontas de cigarro jogadas inadvertidamente.

      Cada 50 quilos de papel usado, transformado em papel novo, evita que uma árvore seja cortada. Pense na quantidade de papel que você já jogou fora até hoje e imagine quantas árvores você poderia ter ajudado a preservar.

      Os problemas causados pelo cigarro geram um gasto com tratamento de US$ 200 bilhões por ano. O prejuízo financeiro provocado pelo tabagismo também é causado pelas mortes de cidadãos em idade produtiva, pelo aumento no índice de faltas ao trabalho e menor rendimento produtivo.

      Perdas - Pesquisas evidenciam as perdas econômicas, causadas pelo cigarro em fumantes e não-fumantes, tais como: faltas ao trabalho; queda de produtividade; aposentadorias precoces; mortes prematuras; custos, com a manutenção de imóveis, aparelhagens, móveis, tapetes, cortinas, etc. danificados; incêndios rurais e urbanos; acidentes de trabalho e, acidentes de trânsito.
      Ressalte-se que a totalidade dos gastos sociais decorrentes do tabagismo supera em muito a arrecadação de impostos que ele proporciona: o câncer, segunda causa de morte por doença no país, é responsável por grandes gastos com tratamentos e internações hospitalares, uma vez que 90% do câncer de pulmão e 30% de todos os outros tipos de câncer são devidos ao tabagismo.
      As doenças cardiovasculares, primeira causa de morte no país, bem como a bronquite crônica e o enfisema, estão diretamente relacionadas ao uso de tabaco e geram importantes gastos na área da saúde.
Apenas estes dois exemplos nos dão a dimensão das perdas econômicas geradas pelo tabagismo, aliados à queda na qualidade de vida do trabalhador.
      Analiticamente, a relação do poder aquisitivo com o consumo de cigarros mostra que há menor consumo nas classes de maior rendimento familiar.
      Contraditoriamente, a população de menor renda - e que costuma ter a saúde mais frágil - é a que mais gasta com cigarro, em detrimento de itens prioritários como, por exemplo, a alimentação.
      Em grande parte, essa diferença é causada pela maior desinformação das classes economicamente mais pobres.
É importante notar que este maior consumo de tabaco, somado a condições como desnutrição, doenças infecciosas e do trabalho, leva a um adoecimento mais freqüente e agravado.
      Convém lembrar, ainda, que os ambientes confinados das pequenas moradias favorece sobremaneira a inalação passiva das substâncias tóxicas por crianças, gestantes e doentes.